Portal INOVA
Blogs
  • Parque Tecnológico de Itaipu abre primeira filial de incubadora de empresas
  • 28/01/2016 14:30


  • A cidade de Marechal Cândido Rondon, no Oeste do Paraná, foi escolhida para receber a primeira filial da incubadora de empresas do Parque Tecnológico Itaipu (PTI). A instalação da primeira estrutura física da incubadora fora da matriz - localizada na sede do parque, na usina de Itaipu, em Foz do Iguaçu - foi oficializada na quinta-feira (21) com a assinatura de um convênio entre o PTI e a prefeitura de Marechal Cândido Rondon.

    “O convênio assinado hoje é resultado do trabalho de empreendedores e de seus projetos de base tecnológica, com modelos de negócios extremamente interessantes e com grande potencial de mercado. Esta é apenas a primeira expansão da Incubadora Santos Dumont – nome da incubadora empresarial do PTI – para as cidades de região. Outras, como Cascavel e Toledo, também estão em estudo, mas não há prazo definido para conclusão”, disse Juan Sotuyo, diretor-superintendente da Fundação PTI.

    Para o prefeito Moacir Froehlich, a incubadora representa um grande avanço para a cidade, que deve despontar na área da tecnologia: “Nossa região é tradicionalmente produtora de grãos e ligada à agricultura e pecuária, mas devemos despontar também no campo da tecnologia ao incubar empresas que proporão novos campos de empreendedorismo”, disse.

    A incubadora funcionará no antigo Colégio Sesi, em uma região estratégica, próxima à entrada do município. O espaço total é de 3.649 m², sendo 900 m² de área construída, incluindo um prédio de dois pavimentos (600 m²) e um amplo galpão (300 m²). A previsão é que as empresas possam se instalar a partir de março, após reforma para adequação do espaço. A instalação dos equipamentos ficará a cargo das incubadas.

    A intenção é desenvolver, especialmente, projetos ligados à vocação do município, voltada ao agronegócio, e também estimular inovações nos setores de energia, água, gestão e tecnologia da informação e da comunicação. No local, será mantida uma equipe da prefeitura e da incubadora para que haja um acompanhamento permanente da metodologia da Fundação PTI.

    Inicialmente, a filial atenderá a quatro empresas do município. Elas já são incubadas no PTI, mas não estão instaladas fisicamente no parque tecnológico e funcionam em local cedido ou alugado. São as chamadas ”empresas não residentes”. Nesta modalidade, as rondonenses são maioria entre as incubadas da Santos Dumont. Das cinco incubadas, apenas uma é de Cascavel.

    As beneficiadas serão a Biofábrica Apoena, produtora de insetos para alimentação de peixes, aves, aranhas e répteis; a Rondotec, desenvolvedora de equipamentos de transmissão wireless e controle de redes; a Vivetech Agrociências, especializada em biotecnologia para a produção vegetal; e a FR Indústria Eletromecânica, que desenvolve e fabrica equipamentos eletromecânicos.

    Com a transferência para este novo polo, elas terão espaço para empreender e ampliar sua produção no período que ainda resta de incubação. O prazo total é de três anos.